Luís Beltran

Luis Beltran is a Spanish photographer, from valencia. Once again we decided to bring our readers a photographer living out of Portugal.

Luis Beltran é um fotógrafo Espanhol de Valencia. Mais uma vez trazemos aos nossos leitores um pouco do que se faz fora de Portugal.

Olá Luís.
Quem é o Luís Beltran?

Na minha infância as pessoas diziam que eu passava o tempo a sonhar acordado. Provavelmente era verdade.
Tornei-me um homem perseguindo os meus sonhos.

Como começaste a fotografar?

Há uns anos li um livro “Shadows in combat” de Javier Bauluz. Era um ensaio fotográfico sobre o conflito Israelo-árabe. Não tenho grande consciência de como perdi o controlo do tempo
folheando o livro, mas impressionou-me muito as emoções que as imagens me transmitiram. Desde aí a fotografia é um marco na minha vida.
Infelizmente nunca estudei fotografia, sou um autodidata. Aprendi observando o trabalho de outros fotógrafos, arriscando e fotografando o
que quer que achasse interessante e tentando desenvolver o meu próprio conceito de imagem.

Que tipo de fotografia gostas de fazer?

Toda a gente gosta de expressar as suas ideias e conceitos do modo que considera mais apropriado. Gosto de imagens que mostram alguma coisa, tristeza, felicidade… e tento fazê-lo.
O mais importante para mim é que as pessoas sintam o que eu senti quando fiz o trabalho, tento mostrar aquilo que sinto deve ser mostrado. Penso que é o melhor atributo que o fotógrafo
deve ter.

Como te sentes no mundo da moda?

Quando era criança costumava passar as férias numa aldeia na montanha.
De manhã a luz entrava pelas janelas enquanto os pássaros chilreavam.
Costumava acordar neste ambiente e frequentemente recordo estes momentos como os mais pacíficos da minha vida. Nunca mais consegui sentir o mesmo mas todos os dias
o procuro através do meu trabalho.
Acho que o mundo da moda me ajuda nessa perseguição.

What kind of content do you prefer shooting?

Everybody has to express their ideas and concepts in the way that they consider more appropriated. I love images that tell me something …. sadness,
happiness … and I try to do it. The most important for me is that people have the same feelings I had when I did my work. I try to bring forward my
peculiar point of view about the stories I consider have to be told. I think it is the best attribute that a photographer may be able to have.

How do you feel in the fashion world?

When I was a child, I used to spend my holidays in a small town in the mountains.
The light getting through the window in the morning while birds chirped . I used to wake up with this vision. Often, I remember this moment
like one of the most peacefuls of my life. I could never feel the same again but I keep on trying every day through my work. Fashion world helps me to achieve it.

If you had the chance to choose a model and a place for a shooting, who would you photograph? Where?

Eniko Mihalik is one of my favorite models.
She is able to transform herself in every shoting and Bangkok would be the place chosen. I was there some years ago and I continue fascinated by
this city.

Besides being a photographer, who are you?

I’m an economist. I worked several years as an auditor but someday I decided to listen to my heart and start to take photographs.

When you look around do you see the world through a camera viewfinder?

I usually look at the world like a photographer.
It’s a huge source of inspiration… the light of a sunset…. the hard shadow of the midday….

We believe this is your first contact with Amol magazine … can we have your opinion about the mag?

It’s fantastic this type of publications because they help photographers to spread and promote their work. It’s an honour to publish my work in Amol
magazine.

Thank you Luís.

Se pudesses escolher um modelo e um local para uma sessão, quem escolhias? Onde?

Eniko Mihalik é uma das minhas modelos favoritas. Ela consegue transformar-se em cada sessão. Bangkok seria o local. Estive lá há uns anos e fiquei fascinado.

Para além da fotografia, quem és?

Sou um economista. Trabalhei vários anos como auditor e um dia decidi seguir o meu coração e começar a fotografar.

Quando olhas à tua volta vês o mundo através de uma máquina fotográfica?

Habitualmente olho para o mundo na perspectiva do fotógrafo. A luz de um pôr do sol ou a sombra dura de um meio dia são boas fontes de inspiração.

Acreditámos que este tenha sido o teu primeiro contacto com a Amol, podes dar-nos a tua opinião sobre a revista?

Este tipo de publicações é fantástico porque servem para divulgar e promover o nosso trabalho. É uma honra publicar o meu trabalho na Amol Magazine.

Obrigado Luís.

www.luisbeltran.eu


Hi Luis,
Who is Luis Beltran?

In my infancy, people used to say me that I was always daydreaming. Probably It was true. I became a man pursuing my dreams.

How did you start shooting?

One day, some years ago I came across a book that changed everything: “Shadows in combat” of Javier Bauluz. A photo essay on the Arab-Israeli conflict. I do not remember how flipping through the pages, I lost track of time. I was very impressed that it could reach so many emotions
with images. Since that day, photography has been a landmark in my life.
Unfortunately I’ve never studied photography.
I am completely autodidact. I have learned a lot observing the work of others, take and use whatever I find interesting and applying it to try to develop my own concept of the image.

Fotografia | Photography

Luís Beltran

www.luisbeltran.eu